Avançar para o conteúdo principal

A Revolução de Abril contada às crianças - Jaime Gralheiro

ERA UMA VEZ UM PAÍS
Era uma vez um país,
que tinha como matriz a forma de um caixão.
Nesse país de terror,
havia como senhor
um homem sem coração…
Um tirano, um opressor!
Só quem queria o que ele queria,
e pensava como ele,
e como ele, também fazia
é que tinha a regalia…
de ser gente… os outros não!
Tratados como vassalos, muito pior que cavalos
Ainda abaixo de cão!




Para ter tudo na mão,
esse monstro de mil olhos,
de mil ouvidos, mil traições,
entrava em qualquer lugar
para ver, ouvir, escutar…
E quer fosse no emprego,
em casa de cada um,
no café, na escola, ou praça…
Sempre o olho da desgraça,
o seguia e perseguia,
de modo que quem dizia
mal da sorte, ou do patrão,
altas horas, ou de dia,
ía parar à prisão.
Meses, anos, uma vida…
Humilhado e torturado,
donde só às vezes saía,
pela única saída:
embrulhado num lençol,
atirado à cova,
noite fora e em segredo!

Era um país de “carneiros,”
sob o chicote do medo…
Oprimidos, censurados,
em fila bem perfilados,
como quem pede perdão!
Trabalhavam como escravos,
do nascer ao pôr do sol.
Aos Domingos tinham missa,
à tarde futebol…
e à noite ouviam o fado.
Nesse país desgraçado,
tudo o mais era “pecado”,
mesmo sonhar acordado!
Até vestir “blue-jeans”, ter isqueiro,
ou rapaz e rapariga…
sentados numa carteira,
lado a lado.
Tudo isso era vedado
pela moral do senhor

Era tal a opressão,
era tal a violência,
ao longo de tantos anos…
Que, tomando consciência
de tantas dores, tantos danos,
as armas que guardavam
o monstro das mil traições,
e às suas ordens matavam
e às suas ordens morriam,
começaram a conspirar…
Noite fora…
com aqueles que saindo das prisões,
sempre inventaram lugares
onde não houvesse ouvidos
do monstro dos mil olhares…

 
E foi assim, vede bem
Que numa certa madrugada,
sem que o esperasse ninguém,
explodiu uma canção,
como se fora granada!
-Quem ousou gritar…
“O povo é quem mais ordena?”
Quem é a voz que acena,
fora de horas com a revolta:
-“Aqui Movimento das Forças Armadas”!
Quem é que deixou à solta,
enchendo todas as ruas,
largos, praças e vielas,
milhares de cravos a florir
no cano das espingardas?
Quem é que pôs nas varandas,
quem é que pôs nas janelas
grandes bandeiras vermelhas?

E um rio de gente inundou o país,
afogou todos os medos,
estilhaçou as algemas.
Essa voz assim o quis!
E a coragem deu as mãos,
ligou um povo de irmãos
a cantar um canto novo,
que se levanta e flutua,
vai já no meio da rua,
como chama que incendeia
a resistente candeia…
Que se fez multidão
pronta a gritar:
“O povo está com o MFA”,
“O povo está com o MFA”…
E levanta-se do chão…
enche as almas oprimidas!
- Olá!

Mas, o monsto dos mil olhos,
como um velho leão
acossado, ficou cego!
Seus mil ouvidos
Ficaram surdos e num último estrutor,
Encurralado,
O monstro disparou…
E mais uma vez matou,
um povo desarmado!
Tinha que ser assim:
assassinos até ao fim,
numa revolução de fraternidade
e amor,
cuja arma era… apenas uma flor!

Pois, esse país triste e desgraçado,
não é uma fábula não! EXISTIU!
Foi o Portugal dos vossos pais e avós!
E agora… SOIS VÓS,
que tem na mão o país novo,
sempre a construir:
o Portugal de Abril,
o Portugal do Povo,
que há-de florir…
Em cada geração que vier!
MAS CUIDADO!
Que por detrás dos escombros
desse tal Passado,
estão sempre os ombros
do velho monstro,
que renasce em cada dia
em que a Liberdade e a Democracia
São atacadas!

SENTINELAS DO FUTURO TEREIS DE SER,
PARA QUE O VELHO MONSTRO
DE MIL OLHOS, MIL OUVIDOS E MIL MÃOS
NÃO VOLTE A RENASCER!

Jaime Gralheiro
Março de 1999








Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

JAIME GRALHEIRO E O SEU SANTO DE ELEIÇÃO - S. MACÁRIO

Jaime Gralheiro - Memórias de infância
S. Pedro do Sul - MACIEIRA DE HÁ 70/80 ANOS
(Revisitação com gente lá dentro)

Falo de Macieira de Sul (S. Pedro do Sul), a aldeia mais serrana da freguesia, nas faldas do monte S. Macário, a deslado do Soito, Posmil e Lageosa, já pertencentes à freguesia de S. Martinho (das Moitas). Falo do lugar onde nasci e se me ficou inteiro na memória, desde que, aos nove anos, de lá desandei para (praticamente) nunca mais lá voltar. Falo de Macieira virada a sul/nascente, com as costas bem protegidas dos ventos norte pelo gabinardo do santo protector a que se encosta. Falo da varanda sobre o vale do Sul, com o lugar dos Pesos, do outro lado, em frente, por onde a gente se guiava no virar das águas: a sombra a varrer os Pesos.
Falo de Macieira, onde no centro se erguia a morada de casas dos senhores da terra que viviam em Nespereira (Alta) e ali vinham, apenas, de vez enquando, receber as rendas. Agora, falo dessas casas com paredes em porpianho e cobertas c…

Dia Mundial da Poesia

Há 3 anos o meu pai escreveu...
No dia Mundial da Poesia, uma passagem discreta:

VEM ACONTECER
Tardo
Na tarde
E este entardecer
Tarda em me trazer
A alma da tarde
Que me dá prazer.
Não tardes mais
Vem acontecer.
Jaime Gralheiro