Avançar para o conteúdo principal

LANÇAMENTO DO " A CAMINHO DO NUNCA - GALERIA VIEIRA PORTUENS

A CAMINHO DO NUNCA, é a última obra de Jaime Gralheiro, publicada pela editora HUMUS. Com lançamentos em Viseu, Coimbra e Lisboa, foi apresentada pelo próprio autor na GALERIA VIEIRA PORTUENSE (LINK -http://cadernosdarte.blogspot.com/2009/09/caminho-do-nunca-de-jaime-gralheiro.html), (Largo dos Lóios,50, da cidade do Porto), no dia 25 de Setembro, pelas 18 horas.


Jaime Gralheiro diz que a obra «É uma síntese poética entre o romance e o teatro, com laivos memorialistas e de ensaísmo histórico. A linguagem é diferente, ninguém escreve e ninguém diz como eu. O estilo pode fazer lembrar o Aquilino, face aos muitos regionalismos. De vez em quando, Fernão Lopes, Gil Vicente, Camões, tudo autores com quem tenho um trato próximo. Também passo por Garrett, Herculano, Eça e Antero. Todos estão lá. É um texto com ressonâncias da escrita moderna»


«Em 1990, fui convidado a escrever uma série para a TV sobre a geração de 60, mas nunca foi levada à cena. Passados 12 anos voltei ao texto e fiz coisa nova: o retrato em carne viva e em grande de uma geração que se empenhou num combate sem tréguas por um mundo melhor».


Combate falhado? Diz Jaime Gralheiro: «O grande povo não falhou, mas tem sido condicionado por muitas barreiras que nunca o deixaram ser. A grande matriz do Povo Português está no século XVI, no advento das Descobertas. Mas o povo já tinha passado pela Revolução de 1383. O povo correu com o rei espanhol, embarcou nas caravelas, em certos momentos tomou nas mãos a sua História. Camões é lembrado como o grande ideólogo deste povo e Fernão Mendes Pinto esquecido como o grande pirata.


Este povo foi metido no colete-de-forças da Inquisição. Fomos apertados numa tenaz com dois braços, o Concílio de Trento e a Inquisição. E esta tenaz condicionou Portugal até ao 25 de Abril de 1974»


A caminho do nunca, os sonhos da geração de sessenta? «Penso que sim.


Mas realizaram-se alguns sonhos.


Até aqueles desgraçados que descobriram o caminho terrestre para França, a geração da mala de cartão, os que emigraram, realizaram alguns sonhos. Hoje ninguém fala neles, mas também sonharam.


Nós lutámos em 1962 em Lisboa e Coimbra, fizemos tremer o regime.


A Academia de Coimbra escreveu páginas de luta empolgantes em 1969.


Nessa altura já éramos muitos. Chegámos a pensar que o tempo novo estava ao virar da esquina. Esta convicção de que o sonho estava nas nossas mãos é que gerou um grande entusiasmo, que se prolongou até ao 25 de Abril.


Mas de repente tudo se esfumou. O Baptista-Bastos diz que estamos condenados a perder todas as revoluções em que nos metemos, mas eu não quero acreditar nisso».


Jaime Gaspar Gralheiro
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

A Revolução de Abril contada às crianças - Jaime Gralheiro

ERA UMA VEZ UM PAÍS… Era uma vez um país, que tinha como matriz a forma de um caixão. Nesse país de terror, havia como senhor um homem sem coração… Um tirano, um opressor! Só quem queria o que ele queria, e pensava como ele, e como ele, também fazia é que tinha a regalia… de ser gente… os outros não! Tratados como vassalos, muito pior que cavalos Ainda abaixo de cão!



Para ter tudo na mão, esse monstro de mil olhos, de mil ouvidos, mil traições, entrava em qualquer lugar para ver, ouvir, escutar… E quer fosse no emprego, em casa de cada um, no café, na escola, ou praça… Sempre o olho da desgraça, o seguia e perseguia, de modo que quem dizia mal da sorte, ou do patrão, altas horas, ou de dia, ía parar à prisão.

JAIME GRALHEIRO E O SEU SANTO DE ELEIÇÃO - S. MACÁRIO

Jaime Gralheiro - Memórias de infância
S. Pedro do Sul - MACIEIRA DE HÁ 70/80 ANOS
(Revisitação com gente lá dentro)

Falo de Macieira de Sul (S. Pedro do Sul), a aldeia mais serrana da freguesia, nas faldas do monte S. Macário, a deslado do Soito, Posmil e Lageosa, já pertencentes à freguesia de S. Martinho (das Moitas). Falo do lugar onde nasci e se me ficou inteiro na memória, desde que, aos nove anos, de lá desandei para (praticamente) nunca mais lá voltar. Falo de Macieira virada a sul/nascente, com as costas bem protegidas dos ventos norte pelo gabinardo do santo protector a que se encosta. Falo da varanda sobre o vale do Sul, com o lugar dos Pesos, do outro lado, em frente, por onde a gente se guiava no virar das águas: a sombra a varrer os Pesos.
Falo de Macieira, onde no centro se erguia a morada de casas dos senhores da terra que viviam em Nespereira (Alta) e ali vinham, apenas, de vez enquando, receber as rendas. Agora, falo dessas casas com paredes em porpianho e cobertas c…

Dia Mundial da Poesia

Há 3 anos o meu pai escreveu...
No dia Mundial da Poesia, uma passagem discreta:

VEM ACONTECER
Tardo
Na tarde
E este entardecer
Tarda em me trazer
A alma da tarde
Que me dá prazer.
Não tardes mais
Vem acontecer.
Jaime Gralheiro